Dinheiro: um meio ou fim?

O dinheiro é uma unidade de conta por meio do qual se valoriza as coisas; esse valor é chamado de preço. A história registra que nem sempre existiu o dinheiro da forma que conhecemos nos dias atuais. Os primeiros sinais de moeda cunhada foram aproximadamente no século VII a.c; anteriormente existia o escambo – troca de mercadorias entre as partes.

No Brasil colônia antes da primeira moeda surgir, o escambo se fazia com o açúcar, que chegou a valer dinheiro de verdade por ordem do Governador Constantino Menelau em 1614. Simultaneamente o fumo, algodão e a madeira ocupavam também essa função. As primeiras moedas metálicas eram de ouro, prata e cobre e chegaram com o início da colonização portuguesa. Mas afinal, sabemos para que serve, porém, como lidar com o dinheiro e, o que a bíblia diz a respeito? Jesus disse:

Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde os ladrões arrombam e furtam. Mas acumulem para vocês tesouros no céu, onde a traça e a ferrugem não destroem, e onde os ladrões não arrombam nem furtam. Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração. “Os olhos são a candeia do corpo. Se os teus olhos forem bons, todo o seu corpo estará cheio de luz (Mateus 6:19-22).

O primeiro século, na sociedade romana em especial, dominada pela ganância, já sofria grandes males por causa da cobiça no dinheiro. Assim como hoje, aqueles que tinham os olhos maus oprimiam, dominavam sob negociatas escusas, vendiam e compravam grandes favores, a exemplo do próprio episódio entre Judas e Jesus, que traído historicamente foi crucificado. Os líderes sociais como Governadores, membros das cortes, etc; acumulavam para si grandes riquezas, pois como líderes proeminentes que eram sabiam o bem que deviam fazer e não o faziam, afirma Tiago: cometiam pecado.

Segundo o dicionário bíblico, pecado significa “transgressão deliberada e consciente das leis estabelecidas por Deus”. “Pecado significa ainda errar o alvo estabelecido pelo criador ao homem – viver para glória de Deus”. Diante desse ato deliberado praticado pelos ricos da época, Tiago irmão de Jesus profetiza que sobre eles viriam grande miséria, onde as suas riquezas estavam apodrecendo e as vestes estavam sendo comidas pela traça. Ouro e prata se enferrujaram, pois o clamor dos ceifeiros no campo, devido às fraudes realizadas pelos nobres, chegaram aos ouvidos de Deus (Tiago 5:4).

Perceba que ao ler a frase, “Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem” […], não se trata de um edito contra a riqueza. Jesus está apenas combatendo o estilo de vida avarento, e, se fosse nos dias atuais, segundo os costumes brasileiros, Jesus estaria dizendo na nossa linguagem: “Ei, caixão não tem gaveta”! Significa que não poderá levar nada, e, se acumular a traça come; tudo na terra apodrece. “acumulem tesouro no céu”[…] significa: ampara o órfão, as viúvas, ame o próximo como a ti mesmo, não roube o salário do ceifeiro (do trabalhador). Esse era o sermão de Jesus o tempo todo – se importar, ”pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração”.

Como lidar com o dinheiro?

Diz uma música popular brasileira que “dinheiro na mão é vendaval na vida de um sonhador […] Quanta gente aí se engana e cai da cama com toda a ilusão que sonhou”. Costumo replicar um dito que creio ser da área da economia o qual diz que, quando se trata de dinheiro o problema não é quanto se ganha, mas no quanto se gasta. É possível ver pessoas que ganham um salário mínimo brasileiro, emprestando dinheiro a alguém que ganha dez vezes mais do que ele. Não sou administrador, nem contabilista, mas caso você seja, deve concordar que o problema não está, necessariamente, no quanto se ganha. Não se trata aqui de apologia para se viver com um salário mínimo brasileiro, mas o fato é que uma boa administração elimina o problema do desequilíbrio que é a razão de muitos descontentamentos.

Olhando mais uma vez para a sociedade Romana, agora no tempo de Paulo, nada mudou; a avareza era a mesma e a ganância tinha cada vez mais fome. Paulo refletindo a Timóteo vai dizer que, de fato, a piedade com contentamento é grande fonte de lucro, pois nada trouxemos para este mundo e dele nada podemos levar; por isso, tendo o que comer e com que vestir-nos, estejamos com isso satisfeitos(1 Timóteo 6:6-8).

As palavras de Paulo são sinônimas do que Jesus já havia falado. Agora, em pleno século XXI, no centro do capitalismo globalizado onde não há fronteiras para adquirir os melhores produtos, sejam quais forem em qualquer lugar do mundo, tudo está ao alcance de um cartão de plástico que deixa o cliente à vontade. Sem limites ou limitado, mas o suficiente para seus deleites. Deleites em muitos casos além do valor monetário que se tem guardado para que tenha condições de arcar com a fatura que logo chega. Pode ser impensável a muitos concordar com Paulo acerca da piedade com contentamento, mas, Paulo em outras palavras, estava dizendo: de fato, a falta de respeito por Deus afeta o modo como você vive.

A piedade representa o dever religioso de cuidar das necessidades das pessoas, dos familiares mais velhos. No livro de Jó 22:4, a palavra piedade é usada para traduzir duas palavras gregas que significam temor de Deus ou reverência a Deus. Já o contentamento vem da ideia da palavra grega arkeo e seus derivados, significa satisfação interior que não exige mudança das circunstâncias exteriores. Paulo estava respondendo exatamente como se deve lidar com o dinheiro, diante das circunstâncias da vida, isso é piedade com contentamento.

Dizendo ainda: respeite a Deus. Tenha uma vida de respeito a Deus, deixa Deus afetar seu comportamento e terá satisfação na vida, independente das circunstâncias, ou seja, terás contentamento ao ponto de saciar-se com o que tens, e adquirirá tudo em seu devido tempo, isso “é grande fonte de lucro (diz Paulo), pois, nada trouxemos para este mundo e dele nada podemos levar […]”.

Dinheiro, um meio ou fim?

É necessário que aquilo que se tem seja resultante do que se é. Vou explicar melhor: Você não trabalha pelo dinheiro, você trabalha para se alimentar bem, para proporcionar conforto para a sua família, e assim sucessivamente. Isso significa que está empregado ou tem uma fonte de renda, portanto, devido ao salário que se tem é que se alimenta. Outro exemplo: Existem pessoas que juntam dinheiro uma vida inteira esperando para viajar, comprar um carro, desfrutar da aposentadoria. Embora essas pessoas possam acreditar que estejam certas e tem todo o direito de assim pensar, essa postura não parece fazer muito sentido devido a realidade da incerteza do amanhã. Geralmente uso uma frase que não sei o autor: “enquanto caminha se vive”.

O dinheiro não é o vilão em nenhuma circunstância da vida. O vilão muitas vezes é quem se torna servo do dinheiro. Pessoas matam, morrem, até perderem seus bens, desesperam e entram em depressão. Pessoas perdem o equilíbrio ao extremo quando o dinheiro falta. Claro que é compreensiva a dor e a preocupação com a escassez ou a falência; observe-se que as duas palavras, dor e preocupação, são diferentes de desespero e aniquilação (autodestruição). “Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração”(Mateus 6:21). O dinheiro é seu servo, não o seu dono, não o seu Senhor. Quando entendemos essas coisas, o trabalho se torna um dos meios para a realização dos sonhos.

É preciso acrescentar mais um parágrafo para reafirmar a importância do dinheiro. Espero que tenha entendido que o dinheiro, embora seja a raiz de todos os males segundo a bíblia, ele é benção, extremamente necessário. Ele é de suma importância para a vida terrena, estude, trabalhe, alimente-se bem, vista bem, adquira bons produtos, mas com contentamento. Viva cada um, segundo as suas condições, sem se importar com aquilo que o outro tem melhor que você,pois, esse tipo de atitude tem sido a raiz de muitos individamentos que tem levado pessoas à loucura – “porque o outro tem,eu tenho que ter também”. A inveja tem como uma de suas consequências a ganância (falta de contentamento). “Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro (Mateus 6:24).

O Apóstolo Paulo, continua combatendo a ganância, a avareza, a indiferença, a perda do foco. O amor exacerbado ao dinheiro tira a centralidade da fé, corrompe os bons costumes, institui guerras externa e internamente, seja no campo social ou individual.

Os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição, pois o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram a si mesmas com muitos sofrimentos (1Timóteo 6:6-10).

Por fim, poderiam ser mencionados neste texto diversos versículos e diversos exemplos de ruínas causadas pelo amor ao dinheiro como, guerras, fome, miséria, inimizades, etc., no entanto, por se tratar de um texto bíblico, precisa-se considerar que o fator mais grave da ganância é a falta de contentamento.

A sanguessuga tem duas filhas que se chamam: ‘Me dá!’ e ‘Me dá!’ Há três grandes demandas que jamais estão completamente satisfeitas, quatro que nunca declaram: ‘É o bastante![…] (Provérbios 30:15).

Os dentes do ganancioso são como espada, para, além disso, afirma Paulo: Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram a si mesmas com muitos sofrimentos(1 Timóteo 6:10). O dinheiro precisa ser um meio pelo qual se chegue a uma finalidade. O dinheiro precisa ser seu servo, pois, os que o torna senhor, devido às suas próprias cobiças, abandonam ao Deus Pai, Rei do Universo, Criador dos Céus e da Terra, o qual deve ser respeitado, afinal, para os que não acreditam, assim como dizem não poder se comprovar empiricamente a sua existência, fato é que, da mesma forma empiricamente não se pode provar sua inexistência; muitas dessas pessoas são também aquelas que  passaram a depender mais do Dinheiro e ali depositar sua confiança, porém, segundo o Apóstolo, estes se desviaram da fé e não tem paz, se atormentaram a si mesmos com muitos sofrimentos.

Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize (João 14:27-ACF).

 

Wellerson Baptista

@gabineteteologico

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s